Home > Futebol brasileiro > Inter treina e apresenta seu novo técnico, Guto Ferreira

Inter treina e apresenta seu novo técnico, Guto Ferreira

Por Adriano Garcia

O novo comandante colorado foi oficialmente apresentado no final da tarde desta quinta-feira (01/06), na Sala de Conferências do Beira-Rio. Após dirigir a primeira atividade junto aos jogadores, no CT do Parque Gigante, Guto Ferreira teve a oportunidade de conversar com a imprensa e expôr suas ideias sobre futebol e objetivos no Clube do Povo. Guto Ferreira falou sobre seus conceitos de futebol. Ele explicou que ter o controle do jogo é algo que considera essencial em seus times. Para isso, ele acredita que sua equipe deve atuar de forma compactada, ter uma marcação agressiva e uma transição rápida, tanto para defender quanto para atacar.

O treinador chega ao Colorado junto dos auxiliares André Luís e Alexandre Faganello, e do preparador físico Juninho. O contrato do profissional se estende até dezembro de 2017, com possibilidade de renovação por mais um ano.

“O Guto é de casa. Um profissional que conhece o Clube, vestiário, funcionários e a história do Inter. Tem uma ligação muito forte com o Inter. Além de demonstrar a sua capacidade, como tem feito nos seus últimos trabalhos, conhece a competição. Isso nos dá convicção de que é a escolha certa, com correção. Tenho certeza que ele está preparado para nos levar de volta para a Série A”, afirmou o vice-presidente de futebol, Roberto Melo.
Guto ferreira concedeu entrevista coletiva após apresentação .

“As equipes que dirijo têm como característica a compactação, marcação agressiva, jogo de transição rápida e a imposição de jogo”, disse Guto, que lembrou de um aprendizado que teve com o atual técnico da Seleção Brasileira Tite.

“Um cara que influenciou muito a minha carreira foi o Tite. Uma coisa que aprendi com ele foi ter o controle do jogo. A partir de quando é que vamos ver. Na Ponte Preta conseguimos, depois na Chapecoense e também no Bahia. O Inter me dá mais condições de ter isso”, avaliou.

Para colocar em prática seu estilo, Guto Ferreira pretende resgatar o passado do clube. O treinador citou que o Inter tinha esse controle de jogo em suas grandes conquistas. Para ele, a partida contra o Palmeiras já pode ter sido um começo dessa retomada.

“As grandes equipes do Inter tiveram isso, jogar se impondo, controlando o jogo, de forma intensa, com marcação agressiva e espírito guerreiro. Ontem foi assim. O Inter pode não ter tido o resultado que queria, mas teve espírito de Inter. Ontem pode ter sido um resgate desse estilo”, previu.
“Treinador é um ladrão de ideias”

Não apenas Tite serve como inspiração para Guto Ferreira. O novo comandante colorado citou diversos técnicos estrangeiros, entre eles os argentinos Marcelo Bielsa e Diego Simeone e os italianos Carlo Ancelotti, Arrigo Sacchi e Maurizio Sarri, como nomes que se inspira. Guto acredita que o ideal é mesclar as ideias de diversos técnicos para construir a sua.

“Minhas equipes têm características de compactação, marcação agressiva, transição rápida e a imposição de jogo. O Tite influenciou muito a minha carreira aqui no Inter. Aprendi com ele a buscar o controle do jogo. A partir de quando vamos conseguir? Não sei, mas vamos trabalhar em busca. As grandes equipes do Internacional tiveram por isso por característica, jogar se impondo, controlando o jogo de forma intensa, marcação agressiva e espírito guerreiro. Sigo alguns conceitos do Bielsa, do Simeone. Gosto de algumas coisas do Guardiola. Até mesmo de alguns que não estão muito em pauta. O técnico do Napoli Mauricio Sarri é um exemplo. Tem tanta gente boa, Arrigo Sasshi, Angelotti. Não é um que vai te dar um modelo. O importante é você tirar ideias. Eu estive com o Lopetegue no Porto e a gente comentava. Ele me disse ‘não se preocupe, o treinador é sempre um ladrão de ideias’. O mais importante é saber em que momento a ideia te serve”, finalizou.

Esquema atual pode ser mantido, em seus recentes trabalhos, na Chapecoense e no Bahia, Guto Ferreira montou as equipes no 4-2-3-1. O treinador, porém, disso que não tem um sistema tático fixo e indicou que pelo menos no início do trabalho dará sequência à atual forma de o Inter jogar tendo um tripé de volantes no meio-campo.

“Na Série B eu subi dois times jogando no 4-2-3-1. Na verdade eu joguei quase toda a competição com o Bahia no 4-2-3-1, mas depois o Régis entrou. Ele é mais um segundo atacante que meia. Então eram praticamente quatro atacantes. A nomenclatura do sistema de jogo não é o mais importante. Quanto ao que vou adotar no Inter, o modelo ideal será aquele que eu conseguir tirar o melhor de cada jogador. Pode ser esse que o Inter vem adotando agora. Se eu perceber que existe uma variação que possa transformar a equipe em mais forte, eu vou fazer”, disse.

“A minha decisão foi total. Dezembro tive proposta de outro grande clube brasileiro e não fui. Mas com o Inter não consegui dizer não. A relação é muito longa, tenho dois filhos colorados dentro de casa, embora seja paulista. Porto Alegre influenciou muito na minha vida e na minha carreira. É um motivo de muito orgulho ser escolhido para reconduzir o Clube para o lugar de onde nunca deveria ter saído. É uma situação que eu buscava há muito tempo. Eu não vim aqui por dinheiro. Vim pela oportunidade de dirigir um gigante. Um gigante que, mesmo eu sendo paulista, me abraçou em 1997 em um projeto de reconstrução do Clube. O presidente do Bahia sempre me disse que não tinha medo de me perder para qualquer clube, pois dificilmente eu iria. Exceto para o Inter, por tudo que eu sempre comentei e vivi aqui”, completou o treinador.

Há uma possibilidade de que Guto Ferreira altere o esquema da equipe para o 4-2-3-1, a mesma que utilizava no Bahia. Nesse sistema, a entrada de Pottker no lugar de Gutiérrez poderia ser a única mudança. Nesta sexta feira o Inter, volta as 15h30 min, ao CT Parque Gigante para o treinamento que definirá a equipe.

Inter e Juventude se enfrentam neste sábado (3), às 19h, no Beira-Rio pela quarta rodada do Campeonato Brasileiro Série B. Com apenas quatro pontos, o Colorado caiu para o 12° lugar. O Juventude é o terceiro com os mesmos sete do líder Paysandu, mas perde no saldo de gols.

Foto: Ricardo Duarte / Internacional

Confira o áudio da entrevista de apresentação de Guti Ferreira.

Leave a Reply